ASCENSÃO PLANETÁRIA

AMIGO LEITOR!!! Nossa missão aqui é apenas de divulgar a "Ascensão" do Planeta Terra e dos seres que nele habitam. Não temos a menor intenção de impor ou convencê-lo de qualquer assunto aqui tratado. Deixamos claro que não se trata de nenhuma seita ou religião e também não discriminamos ninguém, quer seja por raça, partido, opção sexual ou religiosa. A principal intenção é de informar, ao amigo leitor, sobre temas e assuntos que, em nossa opinião, entendo serem tão importantes e necessários, e que num futuro muito próximo, poderá lhe ser útil. Pedimos apenas que use seu discernimento o máximo que puder, meditando, analisando e, por que não dizer, questionando o que aqui vier a ler…. SEJAM TODOS MUITO BEM VINDOS E FIQUEM NA LUZ !!!

Governo Marciano

1 comentário

Trecho extraído do capítulo 23, do Livro: “A vida no Planeta Marte e os Discos Voadores” psicografado por Hercílio Maes, através do espírito de Ramatis. Independente da veracidade do mesmo, na minha opinião, tudo aqui seria de grande aprendizado à população, mas especialmente aos nossos governantes, e com certeza, haveria um grande salto de qualidade em nossas vidas aqui no planeta Terra.

Boa Leitura…

Gerson

 

PERGUNTA: Há certa semelhança entre o sistema de governo, em Marte, com algum de nosso mundo terreno?

 

 

RAMATIS: Há um único governo central em todo o orbe, que coordena a comunidade marciana, num só organismo social. Assemelha-se a uma verdadeira lei de biologia social, que une e harmoniza todas as partes sob o controle de um órgão central sob a inspiração direta de Deus!

 

 

PERGUNTA: Mas não existe algum sistema político, na Terra, que apresente qualquer semelhança com o governo marciano?

 

 

RAMATIS: Notamos a preocupação dos “ismos” tão comuns no vosso mundo, nessa prodigalidade de sistemas heterogêneos para alcançardes o equilíbrio social e político. Criais sistemas e doutrinas políticas, de grupos, para governar um todo, na ingênua convicção de que o conteúdo espiritual, de uma humanidade, pode ser governado por um sistema exterior, assim como usais modelos para fabricar confeitos.

 

 

Não encontramos qualquer analogia terrestre para definir-vos o governo marciano, que é, realmente, um governo espiritualizado, que já eliminou os recalques do instinto inferior de vossa concepção comum. Não foi o indivíduo que criou o sistema para dirigir um todo orgânico, mas a exigência vital do conjunto é que estabeleceu a unidade diretora, conforme acontece aos órgãos do corpo humano, que para sobreviverem mutuamente, em equilíbrio, submetem-se à regência do cérebro, que os comanda de acordo com as funções de cada um. Tornar-se-ia ilógico que o fígado, por exemplo, resolvesse criar um sistema baseado em sua própriafunção hepática, pretendendo, com esse “hepatismo”, governar as necessidades de todo o corpo.

 

 

Uma nação ou um mundo, na realidade, é um todo orgânico que materializa uma só vontade psíquica, sob uma direção espiritual superior e coordenadora. Há necessidade de existir uma consciência de almas, coletiva, íntegra e harmônica, sob a direção central, que mantém as partes subordinadas ao equilíbrio do conjunto.

 

 

PERGUNTA: Mas há um só conjunto dirigente, sem interferência opinativa de quaisquer outros grupos?

 

 

RAMATIS: O governo marciano, em vez de “poder máximo”, graças à sua consciência espiritual desenvolvida, prefere a condição de entidade obediente à necessidade coletiva. Não desconhece a sua missão de imensa responsabilidade perante Deus, a Quem terá de prestar contas dos seus atos e poderes outorgados. Acima de quaisquer interesses pessoais, humanos ou de parentela, prepondera sempre o objetivo moral, condicionado só ao que é nobre e divino!

 

 

PERGUNTA: Não éuma espécie de socialismo?

 

 

RAMATIS: As vossas concepções terrestres, ignorando a verdade simples do amor fraterno, não podem servir de comparações à ética do governo, em Marte, o qual dispensa os vossos massudos tratados diplomáticos de resultados quase sempre negativos. O cidadão marciano, como célula componente de um organismo social de interesse em comum, já compreendeu que a saúde das partes estabelece a saúde do todo. Em conseqüência, primeiramente tratou de ajustar a sua conduta, fortificar a sua vontade, o seu caráter, para, depois, ter direito a um governo à sua altura.

 

 

O provérbio de que “o povo tem o governo que merece” define bem o estado moral da vossa humanidade. Muitas vezes os terrícolas exigem um governo perfeito, dentro de um ambiente que pratica ou consente relações ilícitas de ordem comercial, política ou social. Não é raro que, em festividades onde se juntam criaturas para a bacanal dos sentidos, critique-se a imoralidade pública; que o negociante desonesto acuse a administração pública, no momento em que ele furta no peso; que o industrial verbere as autoridades enquanto ele sonega o fisco, trai contratos verbais e enriquece à custa de negócios escusos. No entanto, o governo é produto do pensamento e dos ideais coletivos, os quais, sendo imorais e antievangélicos, criam, também, um conjunto governamental imoral e antievangélico; pois tais governos são frutos da mesma árvore social.

 

 

É indiferente o rótulo que derdes aos vossos sistemas políticos; seja esse rótulo fascista, comunista, totalitário ou democrático, não vos livra das impurezas íntimas que existem no corpo social a ser dirigido. As nossas elucidações sobre o regime administrativo e direcional dos marcianos não se enquadram nas “panacéias” deformardes, que ainda pululam no vosso mundo, imensamente distanciado da lei sadia do Evangelho.

 

 

PERGUNTA: Qual seria o sistema compatível com a nossa psicologia?

 

 

RAMATIS: Para nós, cujo esforço construtivo é orientado só em Cristo, despreocupanos a terminologia brilhante ou os exotismos utópicos dos vossos grupos políticos. Enquanto os vossos legisladores e sociólogos tentarem a recomposição moral da humanidade terrestre, mediante sistemas que agem “do exterior para o interior”, através de grupos simpáticos, hão de fracassar todos os esforços de equilíbrio social. Os volumosos compêndios doutrinários, que justificam inúmeras estátuas dispersas nas praças públicas, são equivalentes ou semelhantes a esses rótulos brilhantes e coloridos, que disfarçam, nos vasilhames, a pobreza do vinho comum. Só a cristianização completa do vosso orbe, a submissão incondicional ao Evangelho de Jesus, numa prática cotidiana, vos dará a unidade salvadora há tantos milênios procurada. As terríveis modificações que se processam atualmente, no vosso mundo, em que desmoronam os alicerces de velhas civilizações, colocam-vos, à luz do dia, os resultados dos fracassos políticos, sociais e econômicos. Precipitam-se na vulgaridade dos feitos comuns, as comunidades terrestres que olvidaram o cimento vivo do Evangelho; que o preteriram por sistemas e doutrinas exóticas, na absurda concepção de mudar o conjunto sem modificar o homem. E a reforma que se faz necessária não depende de templos, seitas ou credosiniciáticos; é puro e simples, é permanente e natural. É o esforço individual a caminho da ascese; é o desejo consciente de libertação da forma animal para atender ao imperativo divino do apelo angélico. Dispensa os sistemas ideológicos, grampeados a ritualismos ou superfícies.

 

 

Quando tiverdes sentido isto, então, o vosso governo, assim como o é em Marte, surgirá como produto moral, intrínseco das “leis da evolução”. O comando eleito por uma vontade orgânica sadia nunca mais poderá enfermar na desonestidade ou corrupção administrativa, pois não encontra campo de ação onde operar. O metabolismo fascinante do corpo humano pode oferecer-vos o regimento perfeito e evolutivo das nobres aspirações sociais, ou seja, de biologia psíquica. Quando os órgãos funcionam sadiamente, em equilíbrio e harmoniosa conexão, o trabalho coordenador do cérebro também é desafogado, sadio e suave. Em Marte, a cristianização consciente das partes que formam a sua humanidade torna o trabalho do comando governamental uma tarefa de absoluto beneficio coletivo.

 

 

 

PERGUNTA: Como é composto esse governo? São vários indivíduos que governam ou existe um cérebro diretor?

 

 

RAMATIS: Há um conjunto diretor, composto de homens e mulheres, pois a mulher marciana não sofre essa distinção social ou política, por causa de sua diferenciação biológica. Os marcianos sabem que o “sexo”, na face dos mundos físicos, são representações disciplinadas dos estados íntimos das almas, conforme suas experiências milenárias ou suas necessidades de desenvolver melhor esse ou aquele ângulo psicológico. O sentimento melhor se desenvolve na “intimidade feminina”, assim mo a energia criadora se faz mais vigorosa ao intelecto, na “natividade masculina”.

 

 

Daí, o sexo masculino ou feminino representarem, sinaleticamente, estados espirituais, em vez de propiciarem a separatividade nas funções do mundo exterior. Desejando-vos comprovar que o “sexo” não é, realmente, condição fundamental em sua expressão diferenciadora, Deus permite que se reencarnem, no vosso mundo, criaturas com certa configuração anatômica duvidosa e que, sob hábil cirurgia, homens transformam-se em mulheres e estas em homens.

 

 

Esta é a prova evidente de que o “sexo” é pura representação de condições íntimas espirituais. Conhecemos, neste lado, poderosos intelectos que dominaram a ciência, a filosofia e a arte, no vosso mundo, e depois escolheram algumas existências sob o imperativo do “sexo feminino”, para adquirirem a ternura, a mansuetude e o espírito de renúncia, que só é conseguido na figura de “médium da vida”, como é a condição materna. Não há desdouro para a alma operar num organismo feminino ou masculino, porque a realidade espiritual não se caracteriza pelas noções de “sexo”, à base da nomenclatura física; é a maior percentagem “ativa” ou “passiva”, criadora ou de sentimento, que se completa entre os seres afins, que logra o êxito da Felicidade Eterna nos mundos superiores. A mulher marciana é considerada alma de tanta capacidade ou noção superior quanto o homem, por ser a idéia de “sexo” absolutamente secundária; ela opera na administração governamental com absoluta emancipação intelectual e direcional.

 

 

PERGUNTA: Como se compõe o Governo?

 

 

RAMATIS: É uma espécie de Conselho Governamental composto de doze ministros, entre homens e mulheres. Não há conflitos, desacertos ou confusões utópicas, pela simples razão de que não existem interesses pessoais em jogo e há uma profunda consciência espiritual do mando. Todos os esforços são conjugados em favor da coletividade; qualquer ato que visasse um bem pessoal, seria considerado doloroso acontecimento entre essa corte de espíritos sábios, criteriosos e apostólicos. Nas mesmas disposições com que o cérebro físico abdica de sua comodidade, descanso ou bens, para atender rapidamente um órgão lesado no conjunto orgânico, o comando diretor, de Marte, vigia e atende permanentemente a qualquer anormalidade e necessidade do organismo coletivo dos marcianos.

 

 

PERGUNTA: Operam tão em uníssono, que dispensam um “chefe” coordenador administrativo de todos?

 

 

RAMATIS: Há, sim, um coordenador que atende a vontade coletiva do conjunto diretor, sem intervir com a sua vontade pessoal emancipada. É apenas o elemento que toma a direção sem tomar atitude própria para qualquer evento. É vontade uníssona ao grupo e não personalidade dotada de poderes extras para uma ação divergente. Não depende de eleições especiais nem de escolhas periódicas; o critério é de simples regulamento interno; cada um dos conselheiros governamentais assume a direção durante um período, atendendo apenas aos imperativos da ordem e disciplina de trabalhos. A vontade individual não modifica nem cerceia a vontade coletiva; há profundas garantias de estabilidade no conjunto, que subordinase exclusivamente às leis biofísicas da necessidade do povo marciano.

 

 

PERGUNTA: Mesmo considerando um organismo ordeiro e sadio, deve prescindir do “cérebro” diretor, de uma unidade final coordenadora?

 

 

RAMATIS: A verdadeira harmonia administrativa, social, política ou mesmo religiosa de um mundo, sistema ou unidade associativa, deve obedecer aos mesmos dispositivos das formações biológicas no campo físico. O Organismo humano, esse maravilhoso maquinário que é o produto sábio da Divindade, em inconcebíveis operações plásticas através dos milênios, tem o seu funcionamento harmónico e o seu equilíbrio psíquico, graças ao comando genial do cérebro. As partes, embora com funções individualizadas, atendem às necessidades próprias, e, por sábia disposição divina, em conjunção com os demais órgãos. E o cérebro, embora seja o órgão regente dessa orquestração viva, só obtém êxito quando todos os elementos sob seu comando funcionam em ritmo perfeito. Esse “chefe” que indagais podereis considerá-lo como sendo todo o conjunto, assim como o próprio cérebro humano é constituído de vários centros sensoriais e que atendem às diversidades do corpo. Por analogia, o centro da arte, da nutrição ou locomoção do cérebro físico corresponde ao “chefe” do departamento artístico, ao econômico ou do transporte no conjunto cerebral administrativo de Marte.

 

 

Difere da Terra, porque os vossos ministros ou coopera-dores representam a vontade de um presidente ou de um conjunto ligislativo, mas de interesses à parte, enquanto o governo marciano é todo ele a vontade exclusiva do povo, que é atendido conforme o imperativo de suas necessidades. Quando um homem terráqueo sobe montanhas, o seu cérebro “estabelece providências”, aumentando-lhe a quota de glóbulos vermelhos, a fim de se evitar a anemia, ou seja, providencia o que é mais urgente. Assim também sucede com o governo marciano; sempre atende primeiramente as “necessidades fundamentais”.

 

 

Entretanto, no vosso mundo, é comum a administração governativa construir palácios, estátuas ou monumentos, enquanto ainda faltam escolas, hospitais ou orfanatos; chegam a transladar restos mortais de heróis ou servidores, fazendo despesas que agravam o orçamento, esquecidos dos “vivos” que passam fome, nudez e enfermidades. Servis os “mortos” cuja função está liquidada e abandonais os “vivos” cuja situação é grave urgente! Os dirigentes de Marte consideram-se em severa missão perante a Divindade e a segurança do povo reside nesse compromisso consciente assumido para com o Alto.

 

 

PERGUNTA: Não ocorrem casos de irregularidades no governo marciano?

 

 

RAMATIS: Quando surjam, são de ordem emotiva, de irritação, abandono do cargo e abdicação das responsabilidades assumidas; uma fuga deliberada aos deveres aceitos; porém, jamais casos de corrupção administrativa ou escândalo moral ou político, apenas uma ausência voluntariosa, o que já é um fato insólito para a coletividade habituada ao cumprimento integral de suas obrigações em qualquer ângulo de vida. Tais acontecimentos não podeis filiá-los às corrupções morais administrativas e à insanidade criminosa dos vossos dirigentes públicos, que se locupletam dos patrimônios da coletividade. Olvidam esses homens que os seus atos serão punidos pela Suprema Lei, que os lançará nos abismos do lodo e dos charcos impuros dos mundos inferiores! Se os vossos imorais dirigentes públicos pudessem antever um décimo do que os espera além do túmulo, temos plena certeza de que fariam a mais urgente devolução de todos os bens de que se apropriaram indevidamente.

 

 

Esses desgraçados ignoram a realidade espantosa, apavorante, que lhes tomará a alma após o desencarne! Poucos crimes sofrem tanta punição, no Espaço, como o roubo dos bens públicos! Até os espíritos isentos do sentimentalismo humano costumam confranger-se com o sofrimento horroroso que sempre acomete os maus administradores públicos!

 

 

É que essas traições, levadas a efeito no exercício de cargos de administração, pera a Justiça Divina não são julgadas nem aferidas considerando a culpa restringida, apenas, à limitação-indivíduo, pois a responsabilidade do faltoso se amplia assombrosamente em face dos tremendos malefícios que lhe estão adstritos, levando em conta que semelhantes desvios contra o patrimônio público constituem sempre um assalto às reservas sagradas, que se fazem necessárias a vestir os nus que não têm roupa, a alimentar os famintos que não têm pão, a socorrer os doentes que não têm remédios e a alfabetizar os analfabetos que não têm livros nem escolas.

 

 

Não importa que as leis da vossa precária justiça não chame à responsabilidade semelhantes prevaricadores ou os absolva, pois uma coisa é absolutamente certa: os homens podem enganar-se uns aos outros; porém, a Deus ninguém engana, nem suborna. E ante a Sua Justiça indefectível também não prevalecem os despistamentos mágicos, advenientes das posições transitórias em vosso mundo, nem importa que tais “inocentes” não acreditem na existência de Deus nem em Sua Justiça, porquanto as leis do Universo Moral executam-se e cumprem-se com certeza e rigor implacável, independente das crenças ou opiniões dos homens.

 

 

PERGUNTA: O conselho governativo é eleito consoante o nosso sistema?

 

 

RAMATIS: É um conselho eleito entre os mais credenciados em Marte, independente da contagem das urnas; é mais a conseqüência de um amadurecimento biológico. Esses condutores marcianos são almas de maturidade espiritual, reconhecidos como sendo os mais capacitados, dignos e certos; impõem-se como o leão no deserto: pela sua lealdade e significativa resistência. São eleitos devido à sua magnífica contextura espiritual, discernimento psíquico e experiência milenária. Escolhem-nos pela capacidade realizadora; não pelo advento político, pela simpatia popular ou interesses partidaristas. Eles abdicam dos seus bens comuns, em favor exclusivo da missão coletiva; todos os seus esforços, abnegações e afirmações convergem para o povo. Tornam-se cérebros da vida coletiva, mas atendendo, antes, aos ditames da justiça divina do que à legalidade humana.

 

 

PERGUNTA: Como poderíamos aquilatar, na Terra, o porte desses conselheiros governativos de Marte?

 

 

RAMATIS: Lembrando-vos daqueles que viveram sempre a favor do bem coletivo, embora em vários setores opostos, os quais poderão constituir um conselho, formando uma consciência exclusiva, pacífica e honesta.

 

 

PERGUNTA: Qual um exemplo mais objetivo para nossa compreensão?

 

 

RAMATIS: Poderíeis, por exemplo, compô-lo com as seguintes figuras: Francisco de Assis, Pasteur, Henry Ford, Gandhi, Platão, Marconi, Bernard Shaw, Florence Nightin-gale, Helen Keller, João Huss, Padre Damião, Rockefeller, Edison, Mozart e outros desse porte.

 

 

Inegavelmente, apesar da disparidade de ação e capacidade, formaria esse conselho terráqueo uma consciência coletiva habilitada para as mais complexas e uteis atividades. Desde que se integrasse numa só vontade sob o critério superior do Cristo, a Terra progrediria rapidamente, pois a maturidade biológica desses homens, que revelaram genialidade e poderes excepcionais em vários ângulos da vida humana, serviria para todas as necessidades do orbe. E graças às suas disposições pacíficas e de serviço para o bem humano, destituídos do espírito de militarismo e de conquistas estultas do mundo material, cremos que viveríeis tranqüilos, jubilosos e bem-orientados.

 

 

Há que distinguir sempre que o poder que vem dos mais superiores tem sempre um conteúdo diverso do que possuem os homens medíocres, saídos da turba, sem tarefas que já os tenham consagrado ao bem público. O estado de renúncia e de preocupação pela felicidade alheia, que sempre houve nesses guias que citamos, faz que eles sejam uma espécie de antenas vivas, “médiuns”‘ da beleza espiritual, procuradores mais criteriosos da Verdade e da Vontade Divina!

 

 

PERGUNTA: O orbe marciano é então uma espécie de Estado único?

 

 

RAMATIS: É um todo orgânico; funde-se num só movimento coeso, harmônico e progressivo. Forma-se perfeita união entre a riqueza, o trabalho, a arte, a ciência, a religião, educação e realização. Esse Estado, se assim quiserdes denominá-lo, está muito acima das concepções agressivas de fronteiras, porque se constitui de comarcas que formam apenas departamentos de trabalho. O governo é mais um guia espiritual do povo. Há, pois, perfeita unidade de trabalho e relação social, mas através de um entendimento crístico absoluto, que é a segurança íntima do bem comum. Assim como a substituição gradual de melhor alimento para o corpo tende a conduzir este para um porte mais estético e dinâmico, também a melhor nutrição espiritual do governo ao povo tornou-o mais aprimorado em espírito.

 

 

PERGUNTA: Como conhecermos essa alimentação espiritual de melhoria ao organismo coletivo?

 

 

RAMATIS: Assim como, por exigência biológica, o homem marciano eliminou de sua circulação o alimento grosseiro, corrosivo e desregrado, a exigência espiritual mais elevada também extirpou-lhe do espírito todas as tendências de caráter aviltante e deprimente.

 

 

PERGUNTA: Poderíamos admitir absoluta integridade nos doze ministros marcianos?

 

 

Não poderia ocorrer um conjuro, se não para locupletarem-se dos bens públicos, pelo menos para um domínio mais pessoal sobre o povo, uma diretriz psicológica à parte, que lhes satisfizesse essencialmente o amor-próprio?

 

 

RAMATIS: Reconhecemos uma remota possibilidade de “queda”, mesmo numa eventual combinação coletiva. Não tivemos notícias, até o momento, de ocorrências tais, que houvessem desarmonizado o sistema governamental marciano. Não houve acontecimento desairoso, além de renúncias ou ausência aos deveres assumidos; porém, repetimos, casos raríssimos. Para que os governantes marcianos se deixassem vencer pelo personalismo de domínio, também teriam de mudar a sua estrutura psicológica atual.

 

 

Conhecendo a vida verdadeira do espírito e sabendo quais os valores provisórios de um mundo material, para desejarem o domínio num mundo efêmero, teriam de “regredir” em consciência de apercebimento. Essa característica do homem terreno, que ainda sacrifica situações, prazeres, amigos e mesmo o caráter, para usufruir a volúpia efêmera de um cargo ou gloríola humana, vem da sua incerteza pela vida espiritual. Desconhecendo a realidade de bens superiores e definitivos, que estão à mercê da alma evoluída, procura “gozar” com urgência os prazeres mais à mão. Daí, os conluios, as combinações e discrepâncias entre os homens do vosso mundo, que se atiram, aflitos, à conquista desregrada do que supõem valioso para suas emoções instintivas. Os marcianos consideram os tesouros do mundo como os “meios” de estudo e manuseio para os “fins” superiores; após a convicção indestrutível de que a vida material é singelo banco escolar na escadaria do Infinito, o cidadão de Marte não vai à estultice de repelir o “verdadeiro” pelo “falso”!

 

 

PERGUNTA: Ser-vos-ia difícil dizer-nos quais os objetivos mais importantes do governo marciano no campo material?

 

 

RAMATIS: Naturalmente a maior responsabilidade do governo é desenvolver eficientemente a consciência espiritual do seu povo, conduzi-lo à maior compreensão da vida “extraterrena”. Cumpre-lhe preparar, principalmente, o estado psíquico dos seus súditos, a fim de não se desampararem nas esferas de “além-túmulo”, onde cada um recebe de acordo com a sua consciência e entendimento. No seu esforço de ordem mais material, há que desenvolver as riquezas inexauríveis do orbe. Todo o programa a realizar é sempre disciplinado nas leis sábias do pacifismo e interesse coletivo.

 

 

PERGUNTA: Ser-nos-ia possível conhecer, mais ou menos, a população de Marte, atualmente?

 

 

RAMATIS: Não estamos integrados absolutamente no panorama físico daquele orbe, pois as nossas tarefas se fazem melhor no campo mental. No entanto, cremos que essa população oscila entre 1.000.000.000 e 1.500.000.000 de habitantes. Trata-se de um orbe menor do que a Terra, mas apresentando melhores condições de vida, melhor aproveitamento panorâmico, com excelente distribuição demográfica e absoluto controle natal. Assemelha-se a um desses colégios educativos, aprimorados, que devido à sabedoria do engenheiro, à habilidade do construtor e à capacidade do decorador, oferecem maior habitabilidade e melhor aspecto de vivência.

 

 

PERGUNTA: Não se apresentam ao governo problemas inesperados de alimentação ou desníveis econômicos, como sói acontecer na Terra?

 

 

RAMATIS: O solo é fecundo .e bem-tratado; os processos químicos seguem as leis astrológicas, as quais nutrem magneticamente e aumentam as possibilidades reprodutoras. A alimentação, de melhor “qualidade” do que mais “quantidade” peculiar à Terra, permite o cultivo de áreas menores, sobejando outras vastíssimas para as moradias e parques de divertimentos que são pródigos entre as vivendas de grupos. Bosques, regatos, piscinas de água radioativa e tapetes de veludo vegetal são acontecimentos comuns e intermediários entre as habitações coletivas. O governo sempre edifica os conjuntos por adiantamento; não surgem problemas de habitação, em face de a necessidade surgir sempre depois da solução.

 

 

PERGUNTA: Qual a disposição geral da humanidade marciana, que mais favorece o trabalho do governo?

 

 

RAMATIS: O povo é profundamente avesso ao que é falso, inútil, incoerente, exótico ou improdutivo. Não visa interesses pessoais, nem exalta caprichos ou anseia por glórias estatuárias. O senso de confraternização é inato; o bem coletivo é sempre preferido pelo indivíduo. Repugna-lhes qualquer afeição falsa, a promessa não cumprida; consideram desprezível mistificação obter favores alheios e depois traí-los; sentir-se-iam execrados ante a sua própria consciência, se porventura desmentissem praticamente aquilo que sugerem, insinuam ou doutrinam. Não adaptam às conveniências pessoais os fatores alheios. Espantar-se-iam das vossas coações políticas, da falsidade dos vossos projetos para o bem público, da ardilosa concepção jurídica que fazeis das leis comuns, quando desejais subvertêlas para o êxito pessoal. Não mercadejam, não exploram nem dificultam a vida do próximo; a sua moralidade representa-os diretamente quando assim se faz preciso, porque o acordo verbal é atitude definitiva.

 

 

O senso absoluto de serem espíritos reencarnados no orbe físico e a certeza de devolverem ao túmulo os bens mais preciosos, evita-os de se exaurirem, como fazeis, para obterdes a segurança econômica. Não concebem a estultice do terrícola que amontoa fortunas para viver mil anos, quando mal consegue alcançar a meta dos oitenta. A renúncia em favor alheio é comum porque os valores materiais significam-lhes breve instrumentação de aprendizado, podendo ser emprestada, sem preocupações, ao que mais a necessita. Decorre, pois, dessa atitude coletiva, a harmonia de conjunto entre o povo e o governo.

 

 

 

Anúncios

Autor: Gerson

Este blog foi criado com a intenção de apresentar a ascensão da Mãe Terra e dos seres que nela habitam

Um pensamento sobre “Governo Marciano

  1. PORTAL – GNA – Existem vida em vários planos existenciais … aqui vivemos na 3a Dimensão e Somos ligados a Lei da Matéria e aos corpos de densidade relativa ao Mundo Planetário. Regiões Astrais estão localizadas em todos os Orbes em relação a permissão do existir, pois para tudo existe processos que são comandados por altas Hierarquias Cósmicas. O Acaso não existe … veja como existe vida em toda parte, e até nas larvas dos vulcões ou gelo mais profundo lá está as formas embrionárias de vida.
    Os dias em que as Igrejas falavam em vida, só a Terra era o Reino e o Paraiso prometido a Abraão .,.. hoje Vemos as Máquinas Voadoras nos céus, e os que não acreditam, paciência, pois ainda vai ter que voltar muitas vezes em corpos para continuar as Suas evoluções …

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s