ASCENSÃO PLANETÁRIA

AMIGO LEITOR!!! Nossa missão aqui é apenas de divulgar a "Ascensão" do Planeta Terra e dos seres que nele habitam. Não temos a menor intenção de impor ou convencê-lo de qualquer assunto aqui tratado. Deixamos claro que não se trata de nenhuma seita ou religião e também não discriminamos ninguém, quer seja por raça, partido, opção sexual ou religiosa. A principal intenção é de informar, ao amigo leitor, sobre temas e assuntos que, em nossa opinião, entendo serem tão importantes e necessários, e que num futuro muito próximo, poderá lhe ser útil. Pedimos apenas que use seu discernimento o máximo que puder, meditando, analisando e, por que não dizer, questionando o que aqui vier a ler…. SEJAM TODOS MUITO BEM VINDOS E FIQUEM NA LUZ !!!

Série: Eliza Ayres

Deixe um comentário

“Aquele que tem servido”

Parte 3: “vidas passadas”

Como afirmei na Parte 2, muitos venusianos (quem vem de Vênus), incluindo um grande contingente de minha família Kumara, seguimos Sanat Kumara para a Terra depois que ele fez a promessa altruísta a fim de trazer a Terra e seu povo de volta para a luz, depois da queda da Lemúria e Atlântida. Seus Eus Superiores existentes fora dos limites de tempo e espaço, os voluntários, eles estavam cientes de que alguns deles seriam apanhados nas teias do tempo e permaneceriam no ciclo de encarnação através do próximo ciclo. (Nota do tradutor: Kumara, em sânscrito significa de modo figurado; puro ou inocente.)

A densidade sobre o Planeta Terra nos últimos dias da Atlântida e Lemúria era tal que muitos desses voluntários iniciais também caíram e foram apanhados nos ciclos do carma, até que a sua liberdade pudesse ser ganha novamente na próxima Idade de Ouro, quando o Poder da Luz se deslocasse daquela escuridão. Alguns de nós que vieram mais tarde serviriam como guias para esses queridos “perdidos”, bem como, para aqueles que se tornariam os novos líderes e professores da humanidade, à medida que a espécie evoluísse e amadurecesse.

Para que você não sinta piedade por aqueles que caíram, nossas Almas sabiam o que estava prestes a acontecer. Todos os voluntários foram instruídos e treinados antes de encarnar. Ainda assim, quando finalmente chegamos através de vários métodos, quer fossem pela encarnação física, aterrissando no Planeta através de naves estelares ou vindos em corpos tão tenros, os chamados walk-ins, foi um choque muito grande para a nossa consciência a fim de que fosse mergulhada na densidade do plano terreno.

Cheguei ao Planeta nos últimos dias da Lemúria. Enquanto muitas sementes estelares e trabalhadores da luz mantinham boas lembranças da Lemúria, ela provou ser um lugar de horror para mim. Eu era jovem, tola e despreparada para as intrigas das trevas que me procuravam atraídas pela minha luz. Eu era bonita, voluptuosa e alta, e talvez um pouco vaidosa, embora minha mãe não tivesse dito isso; ela estava orgulhosa de sua filha. Ainda assim, em ser vítima que tinha caído nas conspirações das trevas, eu estava seguindo o comando interno de minha Alma, me conduzindo profundamente dentro da humanidade. Lá eu iria esperar o meu tempo com os meus companheiros ao longo do tempo a fim de que as oportunidades surgissem quando a luz estivesse mais uma vez, brevemente transcendente durante os ciclos menores.

Antes da queda, durante a época das grandes civilizações da Lemúria e Atlântida, o nosso povo ocupou vários cargos. Eram professores, sacerdotisas, sacerdotes, xamãs, engenheiros, inventores e artistas. Estes seres iluminados talentosos também procuraram esconder muito da alta tecnologia espiritual usada especialmente nos últimos dias da Atlântida, a fim de que o conhecimento não se perdesse por completo. Você pode ler sobre a nossa história no livro chamado “O Retorno das Serpentes da Sabedoria”, de Mark Amaru Pinkham, que é mais um Kumara.

Apesar do poder das trevas, que foi se espalhando por todas as culturas de ambas e grandes civilizações, havia lugares onde poderíamos viver e trabalhar bastante intactos, de modo que muitas vezes escolhíamos lugares distantes do centro de atividade e da política. Muitos dos voluntários sementes estelares tornaram-se membros de grupos de sacerdotes e de outros sábios, pessoas qualificadas que migraram para as bordas exteriores do antigo Império e, assim escaparam da morte física, quando a ilha continente foi dragada sob os mares.

Alguns de nossos maiores mestres entre nós, sabiam o que estava por vir e sentiam a mudança à medida que os níveis de frequência caíam. Os mais poderosos, os ascensos retiraram seus templos e centros para o reino etéreo, em uma freqüência superior do que aquela que estava disponível para a maioria dos seres humanos, e assim por diante. No entanto, alguns de nós permaneceram na superfície do planeta no meio do povo a fim de manter a luz o melhor que podia, enquanto a noite descia e o mundo ficava escuro.

Dentro do próprio Império, até a pacata vila foi afetada pelas guerras e violências perpetradas pelos Filhos agressivos de Belial. Estes intrusos buscavam, atacavam ou encontravam outros métodos mais sutis para subjugar os inocentes ou incautos entre os seguidores da Lei do Uno. Todas as mentiras convincentes que as trevas ainda falam e mesmo nos últimos dias de escuridão foram utilizadas, em seguida, contra a humanidade e contra aqueles de meu povo que estavam no planeta como voluntários. (Nota do Tradutor: Belial, é um personagem mitológico que significa Rei do Inferno.)

Eu não me lembro dos dias que passei na Lemúria. Foi-me dito que eu tinha pelo menos duas vidas lá, ambas foram cessadas, abortadas cedo devido ao trauma. Após a segunda vida, deixei Lemúria e depois reencarnei no grande Reino de Atlântida. Lá servi como sacerdotisa nos grandes templos à Deusa. E, em algumas vidas, eu servi como um guerreiro guardião fêmea para o Rei e a Rainha.

Antes da queda da Atlântida, fui guiada a emigrar para o que é agora as Ilhas Britânicas. Eu acompanhei um grupo de sacerdotes que se tornariam os primeiros druidas, que iriam servir o povo indígena das ilhas, e as ondas posteriores de imigrantes provenientes da Europa. Os druidas continuaram com a chama da liberdade, educando muitos jovens nos caminhos das artes, ciências, governo, filosofia, ciências naturais e liderança. Os druidas também migraram para a Europa, especialmente na área que foi uma vez conhecida pelos romanos como Gália (atual França e as Terras Baixas).

Assim, vida após vida, lutei, morri e foi perseguida pelos servos dos poderes das trevas que reinaram sobre o Planeta. Às vezes eu desempenhei papéis escuros, como um guerreiro ou sacerdote, bruxa ou bruxo. Às vezes, eu era uma simples fitoterapeuta ou curadora, vivendo na margem da floresta, perto das pessoas que viviam da terra. Muitos tornaram-se vítimas dos poderes das trevas que dominaram a Igreja latino-imperialista, que substituiu as antigas religiões da cidade de Roma, onde uma vez a Deusa foi tida em alta consideração.

Se te disseram que hoje em dia as trevas em Roma serviam a Deusa, essas são as mentiras daqueles que odeiam a Ela de forma mais desesperada. Sempre eles tiveram usado os ensinamentos e os símbolos da luz contra os seguidores e alunos da Lei do Uno. É a maneira deles de torcer a verdade para seus próprios fins, usando-a como uma arma e armadilha para aqueles que são incautos.

Em outros momentos eu vivia nas grandes florestas da América do Norte e nas regiões dos altos planaltos ocidental, onde pequenos grupos seguiam o fluxo e refluxo dos ciclos da natureza. Aprendi a caminhar tranquilamente pela floresta, a fim de viver dentro dos ritmos da natureza. Um profundo amor pela beleza dos lugares selvagens do planeta criou raízes no meu coração, que ainda permanece lá até hoje. Muitas vezes eu era tanto um xamã quanto um guerreiro, dependendo da necessidade do povo.

Através de uma série de vidas entrelaçadas com o império de Roma, vivi e lutei como soldado, e, era casada, uma esposa de um general romano, os romanos fugiram quando eles assumiram Albion, só para morrer no final com uma espada curta. Eu fui um druida em mais de uma vida, desprezada pelos romanos e mais tarde pela Igreja Latina, mas dedicada ao povo a quem servi, ensinei e curei. Eu vivia como um Culdee (cristianismo celta) solitário e pregava orações juntamente com os meus irmãos e irmãs em Iona, a antiga ilha dos druidas que tinham chegado há muito tempo dos restos da Atlântida, antes mesmo que ela caísse no profundo mar azul na tempestade e fogo.

Eu dancei pelos corredores dos príncipes de Mogul e vivi muitas vidas como um filho/filha da Mãe Índia. E, eu caminhei os antigos caminhos florestais do Japão, seguindo os passos de meu marido guerreiro, sempre a esposa dedicada… Pelo menos durante uma vida inteira. Eu era uma pequena dançarina de templo muito magra na Indonésia antiga e viajei em elefantes como um honrado senhor de terras.

Na Escócia antiga, eu era um rei guerreiro, mais tarde, a filha de um conde e esposa para um barão respeitado no norte. Eu vivi parte da Primeira Guerra da Independência Escocesa, lutei contra o tirano rei astuto, Edward I da Inglaterra e do País de Gales. Mais cedo ainda, eu morava no antigo reino Galês que existia no norte da Inglaterra de hoje, batendo sobre a fronteira do Lowlands da Escócia. Pouco se sabe sobre este reino na história, mas o som dele ecoa através das páginas das histórias de JRR Tolkien sobre os Reinos do Norte. E eu andava pelos pântanos da Escócia como um guerreiro das pessoas pouco conhecidas agora chamadas de Pictos.(NT.: antigo povo que habitava o norte da Escócia) Nós não nos pintávamos de azul, mas as tatuagens eram usadas ​​a fim de designar a identidade tribal. 

Durante a Idade das Trevas, eu era um estudioso e soldado como um cavaleiro templário, aprendendo árabe e absorvendo os segredos milenares das Serpentes da Sabedoria, que haviam descido através dos sábios do Oriente Médio. Em uma idade mais adiantada, eu servi no Templo de Hathor e naveguei sobre o peito do poderoso Nilo na inundação. Eu realmente vivi em muitos lugares, em muitas vezes, e de muitas formas, tanto como homem quanto mulher. Muitas das minhas vidas eram curtas e terminavam violentamente. Algumas eram longas e tranquilas, pois  nos eram dado períodos de descanso, tudo a fim de que pudemos absorver o que tinha sido aprendido antes.

Eu andava pelas colinas e montanhas da Galileia e conhecia os essênios, uma vez que eu também era um deles. Casado e mais velho, eu era um primo de Maria, e a abriguei nos primeiros dias de sua gravidez. Maria era pura e de sangue nobre e era casada com José, apesar do que as histórias falam dela na bíblia dos homens. Muitos dos que cercaram e fizeram parte da vida de Yeshua bar Joseph eram também Kumaras. Eles também foram indivíduos altamente qualificados, bem versados ​​na Lei, falando várias línguas e dedicados à Luz. Eles não eram pescadores ignorantes e coletores de impostos que a bíblia dos homens os tornou que assim fossem.

Juntos, como essênios e outros grupos secretos altamente colocados, nós havíamos nos preparado durante séculos a fim de sermos capazes de suportar o Único que iria ancorar uma nova e potente força de luz sobre o planeta, a Chama equilibrada de Amor/Sabedoria do Cristo. E nesse ciclo particular de grande escuridão sobre a terra, o aspecto físico deste grande Senhor da Luz foi só bem sucedido na realização da energia de Cristo dentro de seu veículo físico por curtos períodos de tempo, complementados por muitos adeptos, visíveis e invisíveis. Caberia aos outros que viriam mais tarde, evoluir seus vasos físicos capazes de manter a Luz, enquanto na encarnação física sem queimar os centros de energia do corpo físico. E isso, meus queridos, é o que está acontecendo hoje. Ascensão física está ocorrendo, pela primeira vez em poucos, e mais tarde, em muitos.

Muitas de minhas vidas não foram gastas em tais papéis fundamentais, pelo menos que eu esteja ciente deles agora, mas sempre, em qualquer vida, me vi agindo e retive um laço à minha casa. Entre vidas, eu servi e aprendi nos grandes retiros etéreos localizados neste Planeta e sobre Vênus. Eu não estava perdida ou esquecida nunca durante estes longos, longos séculos de serviço. Mesmo antes desta vida, passei tempo treinando para a minha próxima missão no retiro etéreo do Arcanjo Miguel, localizado nas montanhas rochosas perto de Banff, Alberta, Canadá. Todos nós, que viemos à Terra como um Ser Crístico têm uma história semelhante – algumas dedicadas ao serviço com a Fonte ou através do serviço aos outros.

E na vida anterior a esta, a minha vida foi interrompida. Como um inglês e piloto da Força Aérea Real, bombardeiro altamente qualificado nos primeiros dias da guerra, eu fui abatido sobre a França. Pousei o avião, mas estava sangrando de feridas debaixo do fogo. De alguma forma, eu me arrastei do avião e depois cai inconsciente. Acordei brevemente no focinho escuro de um rifle alemão carregado, eu morri em um campo úmido solitário na França. Nesta vida, eu conheci o piloto daquele avião e até mesmo alguns dos meus outros companheiros daquela vida curta que também haviam morrido na guerra e rapidamente vieram a renascer. Eles não se lembram de mim, uma vez que nesta vida eu era uma mulher, mas eu os conhecia. 

Uma vez que nesta vida eu fiquei aparte, eu sou particularmente apaixonada por assistir dramas históricos britânicos, das épocas de 1930 e anteriores. Se tornando consciente apenas de tal indício de seu próprio comportamento, poderia lhe dar uma indicação a respeito de onde e quando você viveu em vidas passadas. Tenha em mente, porém, que seus Eus Superiores são perfeitamente capazes de enviar os aspectos do Eu (Self) de vidas “passadas” simultaneamente, no tempo e espaço, tal qual é conhecido nos mundos de baixa densidade que não existe exatamente da mesma maneira em 6D e acima.

Assim, nesta vida de serviço neste planeta, eu estava determinada a equilibrar o meu carma e o que eu podia de outros, a fim de permitir que aqueles à quem eu vim servir finalmente entrassem em seu próprio carma.

Quando as antigas previsões de videntes e profetas da destruição da humanidade em torno dos milênios deram em nada, sabíamos que tínhamos passado um marco importante. Agora aqueles que buscavam ascensão durante este ciclo estavam agora livres para persegui-lo com todo o coração. Junto com milhões de outros trabalhadores da luz voluntários de ondas mais recentes, nós tínhamos finalmente conseguido ancorar a Luz do Cristo sobre este planeta. Agora a humanidade está livre a fim de perseguir seu objetivo evolucionista se tornando uma civilização galáctica. E eu estou prestes a embarcar em uma nova missão.

Namastê.

EU SOU Tazjima Amarias Kumara

Essa história vai terminar com a Parte 4 – Uma Nova Missão

______________________________________________________________________________________

Autor: Elizabeth Ayres Escher (aka Tazjima Amarias Kumara)

Fonte: http://www.bluedragonjournal.com

Tradução: Sementes das Estrelas / Maria Dantas – mariadantas2@hotmail.com

– See more at: http://sementesdasestrelas.blogspot.com.br/2014/07/eliza-ayres-aquele-que-tem-servido_18.html#sthash.1ixuKTBT.dpuf

Anúncios

Autor: Gerson

Este blog foi criado com a intenção de apresentar a ascensão da Mãe Terra e dos seres que nela habitam

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s