ASCENSÃO PLANETÁRIA

AMIGO LEITOR!!! Nossa missão aqui é apenas de divulgar a "Ascensão" do Planeta Terra e dos seres que nele habitam. Não temos a menor intenção de impor ou convencê-lo de qualquer assunto aqui tratado. Deixamos claro que não se trata de nenhuma seita ou religião e também não discriminamos ninguém, quer seja por raça, partido, opção sexual ou religiosa. A principal intenção é de informar, ao amigo leitor, sobre temas e assuntos que, em nossa opinião, entendo serem tão importantes e necessários, e que num futuro muito próximo, poderá lhe ser útil. Pedimos apenas que use seu discernimento o máximo que puder, meditando, analisando e, por que não dizer, questionando o que aqui vier a ler…. SEJAM TODOS MUITO BEM VINDOS E FIQUEM NA LUZ !!!

Visão do Umbral, por Cássia Eller

Deixe um comentário

Bom amigos leitores… não sou muito de postar textos desta natureza, mas este me parece que poderá “ajudar” ou despertar muitos. Até por que tem uma depoimento de Rodrigo Godoy, do blog amigo “Contato Alienígena”, que achei muitíssimo interessante… não deixem de ler!!!

Fiquem na LUZ !!!

Gerson

Por Cássia Eller…

“Se eu disser para vocês que o inferno existe, acreditem, pois eu estava mergulhada nele, de corpo e alma, num espaço sombrio e frio, bem interno do ser, dos pés à cabeça, sem tempo, sem luz, nem descanso e afogava-me, a cada segundo, num oceano de matéria viscosa que roubava até minha ilusória alegria… Naquele lugar não havia luz, somente nuvens cinza e chuvas com raios e trovões, gritos estridentes e desesperados, gemidos surdos, pedidos de socorro, lágrimas, desalento, tristeza e revolta…

Preciso descrever mais as cenas dantescas de animais que nos mastigavam e, em seguida, nos devoravam sem consumir nossos corpos; se é que posso dizer que aquilo, que sobrou de mim, era um corpo humano. queria fugir para bem longe dali, mas tudo em vão, quanto mais me debatia no fluido grudento, mais me afundava e, quando alcançava, de novo, a superfície apavorante, mãos e garras afiadas faziam-me submergir naquele líquido pastoso e mal cheiroso.

Dragões lançavam chamas de suas bocas sujas e nos queimavam, machucando e estilhaçando a pouca consciência que me restava da lembrança de minha estada no corpo físico, neste planeta azul. Guardiões das trevas olhavam atentos seus presos e vigiavam todos os movimentos realizados naquele imenso espaço de sofrimentos, dores, lamentos, depressões, angústias e arrependimentos tardios… O ar era ácido e provocava convulsões diversas.

Perguntava-me porque ali estava se nada fizera por merecer tão infeliz destino, depois de ser expulsa do corpo de carne através do uso maciço de drogas. A dúvida assaltava-me os raros momentos de raciocínio menos desequilibrado e as crises de abstinência trancavam todas as portas que dariam acesso à saída daquele campo de penitência de espíritos rebeldes e viciados como eu.
Os filmes de horror que assisti, quando encarnada, estariam ainda muito distantes dos padecimentos, pânicos, pavores e temores que ficariam para sempre registrados na minha memória mental, os piores dias que vivi até hoje, como joguete e marionete de forças que me escravizavam o ser, debilitado, fraco, desprovido de energias, suja, carente e chorosa.

Não me lembrava do que acontecera comigo… Quando o medo é maior que as necessidades básicas, a mente fica encarcerada num labirinto hipnótico e “torporizante” de emoções truncadas e desconectadas da realidade… Assemelha-se a um pesadelo sem fim, sempre com final trágico e apavorante. Quando conseguia conciliar um pequeno tempo de sono; era imediatamente desperta por seres que me insultavam e xingavam, acusavam-me de suicida maldita e jogavam-me lama misturada com pedras… Insetos e anfíbios ajudavam a traçar o perfil horrendo dos anos que passei no umbral. Preciso escrever estas palavras para nunca mais me esquecer: “Com o fenômeno da morte, nós não vamos para o umbral, nós já estamos no umbral quando tentamos forjar as leis maiores da criação com nossas más intenções e tendências viciantes”.

Tudo fica registrado num diário mental que traça nosso destino futuro, no bem ou no mal. O umbral não fora criado por Deus; ele é de autoria dos espíritos que necessitam de um autêntico e genuíno estágio educativo em zonas inferiores, onde poderão se depurar de suas construções aleijadas no campo dos sentimentos e dos pensamentos disformes, mal estruturados e mal conduzidos por nossa irresponsabilidade, de mãos dadas com a imensa ignorância que nos faz seres infelizes e distantes da tão sonhada paz de consciência.

Após alguns anos umbralinos, despertei numa tarde serena, num campo verdejante e calmo. Não acreditava no que via, pois tudo, agora, parecia um sonho… Percebi, ao longe, o canto de uma ave que insistia em acordar-me daquele pesadelo no qual já me acostumava a viver; a morrer todos os dias… Seu canto era uma música que apaziguava meu coração e aguçava meus pensamentos na lembrança de como fui parar ali naquele campo gramado e repleto de árvores. Consegui sentar-me na relva e ao olhar todo aquele espaço natural, deparei-me com milhares de outros seres como eu, nas mesmas condições de debilidade moral, usufruindo, agora, de um bem que não merecia, mas vivia ! Todos nós dormíamos e fomos despertos com música e preces em favor de todos os presentes…

A maioria era de jovens e adultos, poucos idosos e centenas de enfermeiros que olhavam atentos para nossos movimentos no gramado. Com seus olhos serenos, projetavam em nós a mansidão e a paz tão esperadas por nossos corações enfermos, débeis e carentes de atenção, de afeto e carinho.
Alguém me tocava, de leve, os ombros e chamava-me pelo nome, como se me conhecesse há muito tempo. Eu identifiquei aquela voz e “temia” olhar para trás e confirmar minha impressão auditiva, era Cazuza todo de branco, como lindo enfermeiro, de cabelos cortados bem curtos e estendia suas mãos para que eu levantasse, caminhasse e conversasse um pouco em sua companhia.

Não consegui me levantar, porque uma enxurrada de lágrimas vertia dos meus olhos, como nascente de rio descendo a montanha das dores que trazia no peito. Meu ídolo ali estava resgatando e cuidando de sua fã, debilitada e muito carente. Ele cantou pequena canção e tive a capacidade de avaliar o que Deus havia reservado para aqueles que feriam suas leis e buscavam consolo entre erros escabrosos e desconcertantes.

A misericórdia divina sempre conspira a nosso favor, nós desdenhamos do amor divino com nossas desatenções e desequilíbrios das emoções comprometedoras, que arranham e esmagam as mais puras sementes depositadas no ser imortal. aprendi palavras boas ! Somente agora enxergo que sou espírito e que a vida continua e precisa seguir o curso natural das existências, como na roda-gigante: hora estamos aqui no alto; hora estamos aí embaixo encarnados. Daqui de cima, parece ser mais fácil compreender porque temos de respeitar as leis e descer num corpo físico para, igualmente, quando aí estivermos, conquistarmos, pelo trabalho no bem, a lucidez que explica porque há a reencarnação, filha da justiça divina.

Após um tempo no campo reconfortante, fui reconduzida para um hospital onde me recupero até hoje dos traumas e cicatrizes que criei no corpo do perispírito. As lesões que provoquei foram muito graves, passei por várias cirurgias espirituais e soube que minha próxima encarnação será dolorosa e expiarei asma, deficiência mental e tuberculose. Mesmo assim, estou reunindo forças para estudar, pois sempre guardamos, no inconsciente, todos os aprendizados conquistados.

Reencarnarei numa comunidade carente no interior do Brasil e passarei por muitos reveses, para despertar em mim o valor da vida do espírito na pobreza e na doença crônica. Peço orações e a caridade dos corações que já sabem o que fazem e para onde desejam chegar. Invistam suas forças e energias espirituais em trabalhos de auxílio ao próximo e serão, naturalmente, felizes. Obrigada por me aceitarem como necessitada que sou!”

Termina a carta de Cássia, e explicarei alguns pontos para que perceba que isso é real e não se trata de falsidades, como sabem já passei pelo umbral em corpo espiritual, já até lá e desci também ao inferno e conhecia a verdade que muito tentam repudiar, como a viúva de Cássia Eller, leiam a mensagem de Eugênia Martins sobre a carta:

“Fiquei sabendo da carta pela imprensa. Um jornalista me procurou, mas, a princípio, não quis comentar. Não quis por não acreditar que seja verdade. Não que eu não acredite em psicografia. Respeito quem acredita. Mas não identifiquei a Cássia em nada naquela carta. Não parece o jeito que ela se expressava, que ela escrevia. Nada. Não acho mesmo que tenha sido ela. Para mim, foi uma ideia, bem intencionada até, do médium de abordar as drogas, que são um problema social seríssimo. Mas não identifiquei a Cássia naquele texto”, disse.

 

Por Rodrigo Godoy…

“Em primeiro lugar, a Eugênia era companheira dela, é normal ela refutar a carta porque, elas viveram juntas por muito tempo e se conheciam, mas o que posso dizer é que quando passamos pelo umbral, esquecemos quase tudo em nossa vida menos o que nós fizemos de errado, usando drogas e usando de magias, medo, crimes, inclusive quando usamos as drogas, e certos alimentos, quando fazemos coisas ruins para nós mesmos, isto é, usar a droga não é por prazer, mas por machucar a si mesmo, por isso tatuagens e furarmos o corpo, são matérias negativas.
Aprendemos durante nossa vida que fazer tatuagens, é legal, usar drogas é legal e se machucar é algo legal, prazeroso, já ouvi pessoas dizerem que sentir a dor da tatuagem é gostoso, só que no umbral, essas dores são lancinantes, muito mais doloridas e causam o sofrimento. As dores do umbral, são quase que inexpressáveis por simples palavras e quem passou por lá irá sofrer mesmo, depende muito quem logo percebe que está no umbral, logo percebe que está no inferno, Logo percebe que é um suicida. Quem vai para o umbral são suicidas, pessoas que não dão a mínima por seus corpos físicos, essa regra é geral, quem não passa por lá não viveu na Terra. 
Eugênia irá também par o umbral quando fazer a passagem, mesmo que ela ache que não seria possível, que não fez nada para isso, na verdade, para que não passe por isso existe uma única forma, e já expliquei em meus artigos: você deve ajudar ao próximo, quanto mais ajuda mais estará longe do umbral, mas se você não cuida do corpo: usando drogas, alcoolismo, de nada adiantará ajudar ao próximo, não mesmo, deve cuidar do corpo, pois você será um suicida. 
O que a mídia ensina para as pessoas nada mais é do que antecipar sua vida no umbral, a mídia é uma forma de demonização da vida humana, do suicídio coletivo, eles não aceitam que nós fazemos algumas proibições para as pessoas e nos ridicularizam sobre isso, mas a Cássia deve ter passado por maus bocados no umbral, e vejo a carta dela como um desabafo tanto pessoal como espiritual. Eu vi pessoas que depois de passarem pelo umbral, ficam tão doentes que os espirito fica confuso, porque a necessidade de comer e de beber, até mesmo de usar drogas é imperativo, lá você não tem a droga, lá você não tem o que comer. Vou te dar um exemplo psicológico do que é o umbral, imagine a seguinte visão: magine a sua comida predileta, a sua bebida predileta, seu prazer sexual predileto, você não se lembra de cada detalhe e te dá vontade de comer? A sua mente, só pensa em comida, satisfazer seus prazeres pessoais, só que lá no umbral, nada disso existe. Tudo é invisível, tudo que você quer comer ou te dá prazer irão faltar, isso te dará água na boca. Mas você não terá a chance de comer ou de ter aquele prazer que você tem na Terra.
Será que  o umbral existe?
Muitos espíritas dizem que o umbral não existe mais, só que é a maior mentira, quem diz isso não é espirita e sim mentiroso.
O que é o umbral?
Será que é uma parte da Terra em forma espiritual? As duas opções, o umbral é uma necessidade dimensional, todo plano espiritual, tem um plano umbralino, não se pode retirá-lo ao bel prazer de uma doutrina, porque acham e assim eliminar essa passagem de frequência. Só podemos eliminar se o trabalho espiritual for feito, o reconhecimento de seu espirito, o reconhecimento que você veio para pagar algo.
É engraçado as pessoas imaginam-se santas, sem nem ter feito algo para isso, se acham santas perfeitas e prontas para irem para o plano espiritual, para fazer a mudança, você tem que ajudar ao próximo e respeitar-se como corpo carnal: isto é, não se matar, usando drogas, não beber, não fumar, e ajudar as pessoas do jeito que for possível, esse é um dos preceitos para uma passagem sem ir pelo umbral. Outra forma de não passar pelo umbral é evitar auto-intoxicação, evitar todo tipo de coisas que não sejam necessárias para seu corpo. Remédios sã necessários para sua cura, esses funcionam de forma diferente como uma energia curadora, mas algumas outras podem se tornar remédios amargos, mas tudo que está ligado ao constituir “prazer pessoal” são forma suicidas de matar-se pouco a pouco.
Só para mostrar que já passei pelo umbral e por várias vezes no meu processo espiritual, escrevi esse artigo onde vi em passagem o corpo de Fredy Mercury:
http://contatoalienigena.blogspot.com.br/2014/02/viagem-astral-maguina-regeneradora-de.html
Leia o artigo e entenderá como funciona, muitas pessoas que usam muitas drogas e bebidas, e outras que comem tudo que é porcaria, isto é se auto-flagelam, estão como um pé no umbral e o sofrimento será bem pior do que fazer uma tatuagem bem dolorida (gostosa como alguns falam, mas irão ver o que é dor no umbral, e irão lembrar de minhas palavras e não esqueçam de lembrarem-se de mim nessa hora, pois posso te ajudar nessa hora!)
O arrependimento, é algo que pode te salvar, e quando você vê que o umbral é realmente algo horrível, é hora do arrependimento, é aquela hora em que a pessoa se arrepende de verdade, é a hora em que a pessoa que fez a passagem dirá: arrependo-me de tudo, porque na Terra sempre dizemos: não me arrependo de nada que fiz, pois isso é até ir ao umbral, depois você irá perceber que isso é uma tremenda mentira. Quando a verdade cair na sua cabeça, é que irá perceber o que fez de errado, e depois não tem cristo que te salve!
Tem gente que acha que isso é mentira, mas digo a todos, você verá e depois dirá que se arrepender é a única solução, muitas pessoas antigas tinham essa visão, mais generalizada e sempre pediam ou se arrependiam no final da vida, isso pode evitar ou não a passagem pelo o umbral.
Não se trata de um inferno, porque a Terra é uma zona umbralina da 3ª dimensão. A Terra é um zona umbralina, ela é uma zona em que as pessoas acham estarem vivas, a vida real verdadeira é a vida espiritual. Essa vida que nós vivemos é a versão do umbral em 3ª dimensão. Aqui você aprende o que é o fator necessidade carnal, aqui você aprende o que é materialismo, o que é viver, o que é o vício, o homossexualismo, o heterossexualismo e as outras baixarias que temos na Terra. Mas por que vivemos? Para aprender, para aprender a viver na zona umbralina da 3ª dimensão.
Por que os espíritos desencarnados como da Cássia Eller, voltam para zona da 3ª dimensão, para ensinar outras pessoas, porque isso ajuda ela a conseguir luz, conseguir salvar-se de dores e sofrimentos carnais.
É legal que as pessoas não percebem isso, porque não são espirituais, e não tem muito conhecimento, isto é ignorância da vida espiritual: devemos ajudar as pessoas, devemos ajudar-nos a nos livrar dos desejos carnais humanos. Depois que está lá no meio da “balada infernal”, não tem mais o que fazer senão se arrepender antes de chegar lá, mas arrepender-se antes de morrer não ajuda muito tem que se conscientizar quando está vivo.
A vida na 3ª dimensão é muito compensadora e a vida umbralina também, elas ajudam os espíritos na sua evolução espiritual e assim, depois de passar por ela, os espíritos percebem que a Terra é uma escola espiritual. O homem, acha que esses fatos são mentirosos, e quando morrem e sofrem ficam assustados, pois na vida terrena isso tudo não era levado a sério e até mesmo ridicularizado. Por que aqui na Terra as pessoas passam a mão na cabeça das pessoas que pensam dessa maneira, só que quando veem a verdade, acontece o que aconteceu com a Cássia. Por mais que você ache que é um espirito limpo, isso irá acontecer com você e depende do seu sentido de sobrevivência.  
Tem gente que leva esse artigo como uma lição de moral que estou dando nas pessoas, e levam sempre como se eu quisesse mudar a vida da pessoa, não é assim veja esses artigos como um alerta. 
Como explicar a zona umbralina? Será que é possível explicar usando as ideias de frequências e vibrações?
Bom, pensando em vibrações, quando nós estamos vivos podemos satisfazer nossos desejos pessoais e carnais, nossos desejos espirituais não precisam, porque você só percebe a vida carnal, então se você ficar sem ter o corpo físico, essas necessidades irão fazer falta para você. Por exemplo: imagine que você não pode mais comer sua comida predileta, imagine que você não precisa respirar, ou mesmo beber água. Como sua mente iria reagir? 
Imagine que você não precisa respirar ou mesmo comer, será que você conseguiria ficar sem comer? Imagine também que você sempre comeu e depois de algum tempo não precise comer será que você suportaria, afinal é um costume necessário comer, beber água e fazer sexo, será que você suportaria viver assim?
A maioria não suportaria porque comer é uma forma de vício, as pessoas às vezes comem para satisfazer a gula e não a própria fome, existem pessoas muito gordas que comem porque para eles é um tipo de prazer um vício mesmo, só quando a gordura começa a fazer efeito na vida pessoal é que eles param de comer, mas é um efeito psicológico associado com outros fatores que alimentam essa necessidade de comer demasiadamente. A fome é um dos principais motivos do sufoco que as pessoas passam na zona umbral, sede e prazeres sexuais, vícios e outras necessidades.
Imagine o seguinte esses prazeres são vícios do ego. o ego tem parte no processo umbralino, por isso quem diz que o umbral não existe terá que rever algumas posições, quando morremos nossas necessidades continuam, é uma fase, que surge logo após percebemos que morremos, muitas pessoas dormem, quando morrem e quando acordam se veem em um mar de confusões pessoais e espirituais, porque aquele mundo real desaparece e surge um outro completamente novo, é como nascer de uma criança, para ela o frio e a fome começam logo após o nascimento, pois lá na placenta ela tinha tudo quase ao pensamento, comer beber água.
A mente é algo que podemos levar quando morremos, nossos desejos continuam, estamos quase como em uma placenta de uma mãe e acontece tudo ao contrário, em vez de nascer morremos, essa visão de um inferno está ligado as necessidades pessoais sustentadas na 3ª dimensão, e quando você morre elas continuam, por isso lá no plano espiritual, existem os médicos espirituais de cura do carnalizado que passou a ser espiritual. essa ligação continua até muitos anos que você não consegue se libertar dos sentidos humanos, como o sentido do paladar, sentido da necessidade sexual, da necessidade olfatória, do tato, somente mantemos os sentidos da audição e da visão intactos, mas os outros sentidos como tato, olfato e paladar, desaparecem, por isso a confusão, não quer dizer que o umbral não existe, porque esse padrão de necessidades  de comer parecem ter uma forma de destruição do ego. Por isso as pessoas que estão despertando começam a perder vontade de comer, de fazer sexo, e de paladares, essas pessoas começam a perceber outras coisas além do simples viver.
Essas necessidades dos sentidos são efeitos do egoísmo, de padrões da 3d, que as pessoas não conseguem viver sem, não quer dizer que comer é ruim, mas a fome é algo que alimenta comendo uma porção pequena ou mesmo algo suficiente para a energia que necessita, o excesso de comida é um problema de ego e não de necessidade. 
O que as pessoas acham que tudo isso é mentira e que a morte termina quando se morre, mas quando as pessoas caem na realidade,  a verdade é nua e crua, o medo o desespero, o desconforto acontece, e aquilo vira reconhecimento, arrependimento. Todos nós iremos passar por isso, mas alguns passam menos outros passam, mas principalmente aqueles que morrem por uso de drogas, bebidas e outros vícios como sexo e muita liberdade carnal. A carta dela, mostra bem o que as pessoas ainda não entendem o que livre-arbítrio, se você é livre, então sofra as consequências de sua própria liberdade.”
 

Fonte Original: http://contatoalienigena.blogspot.com/2016/02/visao-do-umbral-cassia-eller.html#ixzz3zoOC4dR5

Anúncios

Autor: Gerson

Este blog foi criado com a intenção de apresentar a ascensão da Mãe Terra e dos seres que nela habitam

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s